">

Jovem acusa covardemente o deputado Marco Feliciano de assédio sexual e tentativa de estupro

Uma estudante de Brasília, de 22 anos, militante da Juventude do PSC (Partido Social Cristão), acusa o deputado federal Pastor Feliciano (PSC-SP) de assédio sexual, agressão grave e tentativa de estupro. A informação é do colunista Leonardo Mazzini, do Uol, que se encontrou com a jovem e com o assessor do PRB Emerson Biazon, que prestava orientação à vítima.



A estudante conta ser youtuber, cristã e frequentadora da mesma igreja de Feliciano. Os dois passaram a ser amigos quando ele propôs ser guia espiritual dela. A agressão teria ocorrido no apartamento funcional do parlamentar em Brasília, na manhã do dia 15 de junho. Ela foi agredida e por pouco não foi forçada a fazer sexo com o deputado. A jovem relata que Feliciano chegou a propôr que ela se tornasse sua amante, com um alto salário e cargo comissionado no PSC. Marco Feliciano é casado com Edileusa de Castro Silva Feliciano e tem três filhas. 


A vítima possui transcrições e prints das conversas que teria mantido com o deputado pelo Whatsapp. Segundo a jovem, em um encontro há semanas, ele pegou o celular à força e apagou todas as mensagens entre eles, mas a estudante conseguiu resgatá-las no ICloud de seu computador. De acordo com a reportagem do UOL, dois funcionários do PSC confirmaram que o número do celular era o pessoal usado pelo pastor-deputado.

Após resolver denunciar o caso, a jovem sofreu assédio moral de diversas pessoas, incluindo políticos do PSC e assessores de Marco Feliciano. Com medo, saiu de Brasília e ficou fora de contato por algum tempo. Entretanto, após seu ex-professor Hugo Studart publicar na sua página no Facebook o caso, nomeando Feliciano e citando as iniciais da garota ela resolveu se manifestar. Mais tarde o post foi tirado do ar e o docente nega ter sido ele a fazê-lo. Supreendentemente, a jovem gravou um vídeo de poucos segundos elogiando Feliciano e chamando o professor de mentiroso. Após ter sido confrontada pelo repórter, a estudante retirou o vídeo do ar. 
Procurada, a assessoria do deputado respondeu em nota oficial desconhecer as acusações e mensagens no Whatsapp. “Informo que desconheço tais acusações e as referidas mensagens postadas. Conheço a jovem por meio de sua participação no PSC, é uma grande lutadora contra o aborto e a favor das causas sociais. A conheço da mesma forma que conheço tantos outros jovens ao meu redor. Tenho uma honra ilibada e tais acusações são descabidas. Respeito minha família, o povo brasileiro e principalmente minha fé! E peço que assim o façam! Assim eu encerro tal assunto, deixando nas mãos das autoridades", diz o texto.





http://www.em.com.br/