Cardeal brasileiro pede em sínodo de bispos que a Igreja aceite os gays

O cardeal brasileiro Raymundo Damasceno Assis pediu nesta terça-feira (7) ao sínodo de bispos que considere a amparada na Igreja de "situações familiares difíceis", como as dos casais do mesmo sexo.

O arcebispo de Aparecida analisou hoje a possibilidade de "acompanhar" e mostrar proximidade dos casais formados por pessoas do mesmo sexo, já que a "Igreja é a casa paterna na qual há espaço para todo o mundo".

"Longe de nos encerrarmos em um olhar legalista, desejamos nos aprofundar nestas situações difíceis para acolher todos aqueles que nos apelam e fazer com que a Igreja seja a casa paterna onde há espaço para todos aqueles com uma vida complicada", disse o cardeal em seu discurso perante os congregados.

Dom Raymundo Damasceno se encarregou do discurso introdutório de uma das sessões do sínodo realizada nesta terça-feira e na qual foi abordada a questão das "situações familiares difíceis".

Neste sentido, Dom Raymundo citou o papa Francisco para ressaltar que a Igreja deve aprender a arte do acompanhamento para "dar a nosso caminho o ritmo saudável da proximidade, com um olhar respeitoso e cheio de compaixão, mas ao mesmo tempo saudável, livre e encorajador para amadurecer na vida cristã".

Além disso, o arcebispo de Aparecida informou que "em relação às uniões entre pessoas do mesmo sexo", foram colocados sobre a mesa os seguintes temas: "o reconhecimento civil de tais uniões, avaliações particulares da Igreja e algumas orientações pastorais sobre este assunto".

O sínodo extraordinário sobre a família, convocado pelo papa Francisco, começou seus trabalhos na segunda-feira passada e se estenderá até o próximo dia 19 de outubro.
Ampliar
Em 2013, a causa gay avançou muito no Brasil e no mundo, com a aprovação do casamento de pessoas do mesmo sexo em vários países e até o arquivamento do projeto de lei da chamada "cura gay" no Brasil. Mas também enfrentou muitos desafios, entre eles a eleição do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para a presidência da CDH (Comissão de Direitos Humanos e Minorias) da Câmara dos Deputados e o aumento de crimes homofóbicos. Clique na seta à direita para ver os avanços e na seta à esquerda para conhecer os retrocessos da luta dos homossexuais




Fonte-------------------Uol.com