Grávida baleada na cabeça vai para casa depois de 60 dias de internação Thaysa Vilas Boas perdeu todos movimentos do corpo após tiro, no Paraná. Irmão foi preso e confessou ter atirado contra ela por estar drogado.

Thaysa Vilas Boas, a grávida de 22 anos baleada na cabeça no dia 11 de julho em Tapejara, no noroeste do Paraná, foi levada para casa no fim da manhã desta sexta-feira (9), após 60 dias de internação, de acordo com o Hospital Norospar, onde ela estava.
O irmão dela, Danilo Emanuel Vilas Boas, foi preso em 18 de agosto e confessou ser o autor do disparo. Em depoimento, ele disse que estava drogado no dia do crime e confundiu a irmã com o namorado dela, com quem tem problemas de relacionamento.

Thaysa estava grávida de sete meses, de uma menina, e saía de casa para ir a uma consulta de pré-natal quando foi baleada. A jovem foi levada às pressas para o hospital. Os médicos fizeram uma cesárea de emergência, mas a bebê morreu quatro dias depois, após uma parada cardiorrespiratória.

Ela foi levada para o cuidado da avó, Cleonice Paio Lopes, na casa dela, em
 Tapejara. Lá, um quarto com cama hospitalar foi preparado para recebê-la. O tratamento diário, diz a família, será acompanhado por um profissional de saúde contratado.Atualmente, a mulher tem estado considerado estável pelos médicos. Ela respira normalmente, mas perdeu todos os movimentos do corpo, apresenta espasmos e só é alimentada por meio de sonda.



G.1