Dilma diz: que vai ao senado lutar contra o golpe



A presidente afastada Dilma Rousseff disse na noite de quarta-feira que vai ao Senado durante o julgamento de seu impeachment, que começa na manhã desta quinta, para que um golpe "nunca mais aconteça" no Brasil, segundo reportagens em sites de jornais nesta quinta-feira.
“O que eu vou fazer lá no Senado? Eu vou defender a democracia, os interesses legítimos do povo e, sobretudo, construir os instrumentos para permitir que um golpe nunca mais aconteça em nosso país”, disse Dilma, segundo o jornal Estado de S. Paulo, em evento com apoiadores em Brasília.
Dilma é acusada de crime de responsabilidade pelo atraso de repasses ao Banco do Brasil para pagamento de benefícios do Plano Safra, as chamadas pedaladas fiscais, e pela abertura de crédito suplementar por decreto sem autorização do Legislativo.

A defesa da petista afirma que o atraso nos repasses ao BB não configura operação de crédito, o que é proibido por lei, e que os decretos foram atos de gestão orçamentária e não são irregulares.