">

Suplicy é detido em protesto contra reintegração e liberado após 3 horas Ex-senador do PT foi levado para o 75ºDistrito Policial.

Eduardo Suplicy é carregado por policiais militares após protestar contra reintegração de posse (Foto: Uriel Punk/Futura Press/Estadão Conteúdo)O ex-senador e candidato a vereador pelo PT Eduardo Suplicy, 75, foi detido nesta segunda-feira (25) pela Polícia Militar (PM) após protestar contra reintegração de posse na Zona Oeste de São Paulo. Ele foi levado ao 75º Distrito Policial (DP), no Jardim Arpoador. Ele foi liberado às 14h30, após ficar cerca de três horas detido.
Segundo a Polícia Militar, ele foi detido depois que desobedeceu a ordem dos oficiais de justiça de desobstruir a via e teve que ser retirado do local pelos policiais". Suplicy se deitou na rua para impedir a reintegração de posse e chegou a ser carregado por policiais militares. Imagens divulgadas pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) mostram o momento em que Suplicy se deita com uma moradora na rua para impedir policiais. 
Após prestar depoimento, Suplicy disse a jornalistas que relatou ao delegado ter deitado no chão para evitar confronto entre policiais e os moradores. “Havia um grupo de policiais militares avançando com escudos e uma escavadeira que estava avançando logo atrás, e do outro lado estavam os moradores, pelo menos 80", afirmou.
Começou a haver um encontro daquelas pessoas e os policiais. Eu, então, fiquei com receio de que pudesse haver uma cena de violência quase que incontrolável, então eu falei: ‘Vou me deitar aqui para prevenir e evitar qualquer violência’, E foi isso que aconteceu."
A truculência da Polícia Militar do governo Alckmin é inaceitável"
Segundo o delegado Gilberto de Castro Ferreira, Suplicy assinou um termo circunstanciado (um tipo de boletim de ocorrência para crimes sem potencial ofensivo) e vai responder por desobediência.
Ele disse ter considerado que não houve excesso da polícia. "Não acredito que houve abuso [policial] porque eu próprio disse a eles: 'Se quiserem, me levem'." Ele só se queixou da maneira como os policiais o pegaram. "Disse: 'Assim vocês vão quebrar meu braço'. E eles diminuíram a força."
Logo após sua prisão, Suplicy afirmou em sua página do Facebook, por meio de sua assessoria da imprensa, que "a truculência da Polícia Militar do governo Alckmin é inaceitável. Se fazem isso com um ex-senador da República, imagine o que sofre a população que tanto precisa de apoio".
Suplicy disse que conversou com os PMs na viatura, a caminho da delegacia. "Perguntaram a mim eu disse que tenho 75 anos, que ainda hoje de manhã, 6h45, eu tinha feito a minha aula de ginástica. Me mantenho em boa forma, e dos 15 ao 21 eu treinei boxe, participei do campeonato da Gazeta Esportiva, e procuro me manter sempre em boa forma. Se necessário for, eu sei como fazer", disse, rindo.
Disse que não apresentou resistência, e que lembrou de Jesus e de Mahatma Gandhi, pela não-resistência. "Mas eu continuo um grande discípulo da não-violência."
Outros presos
Além do petista, mais duas pessoas foram detidas e levadas à delegacia. O cantor Supla, filho de Suplicy, afirmou no Facebook que seu pai está bem. "Quero avisar a todos que o meu pai está bem...acabei de falar com o delegado e o meu próprio pai! agradeço a preocupação e o carinho de todos!", disse.
O ouvidor das polícias, Júlio César Fernandes Neves, foi à delegacia acompanhar a ocorrência. "Nós estamos só preocupados com a integridade física do senador, por isso nós estamos aqui", disse.
Desde o início da madrugada desta segunda, moradores realizam protesto contra reintegração de posse de terreno na Cidade Educandário, na região da Rodovia Raposo Tavares. Ao todo, são 350 famílias que ocupam uma área que pertence à Prefeitura de São Paulo. Suplicy foi secretário de Direitos Humanos da cidade de São Paulo até abril deste ano quando deixou o cargo para disputar vaga na Câmara municipal.
  •  
Eduardo Suplicy é agarrado por policiais militares para ser levado após protesto contra reintegração de posse (Foto: Uriel Punk/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Governo critica
Em nota, a Secretaria da Casa Civil, do governo estadual, disse que “lamenta que o ex-senador Eduardo Suplicy tenha aproveitado a fragilidade de famílias para tumultuar uma reintegração de posse em cumprimento a uma ordem judicial solicitada pela Prefeitura de São Paulo, dona do terreno”.
Segundo a pasta, já tinham sido realizadas três reuniões prévias e parte das 400 famílias já havia se retirado da área. “O ex-senador Eduardo Suplicy insistiu na obstrução da via mesmo após negociação. A oficial de Justiça Vilma Martins Coelho (funcionária do Tribunal de Justiça de São Paulo) deu ordem de prisão ao ex-senador.”
A Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que “policiais militares do 3º BPChoque e do 16º BPM/M atenderam a ocorrência" e que "manifestantes obstruíram a via com barricadas e atearam fogo em um ônibus". "Um policial militar ficou ferido por estilhaço de bala de arma de fogo".
"A PM informa ainda que o ex-senador Eduardo Suplicy desobedeceu a ordem dos oficiais de justiça de desobstruir a via e teve que ser retirado do local pelos policiais. Ele foi encaminhado ao 75º DP”, diz nota da secretaria.
O ex-senador Eduardo Suplicy deixa o 75º DP, na zona oeste de São Paulo. Ele foi detido na manhã desta segunda (25) acusado de impedir o trabalho da polícia militar enquanto protestava durante uma reintegração de posse (Foto: Eduardo Carmim/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)O ex-senador Eduardo Suplicy deixa o 75º DP, na zona oeste de São Paulo. Ele foi detido na manhã desta segunda (25) acusado de impedir o trabalho da polícia militar enquanto protestava durante uma reintegração de posse (Foto: Eduardo Carmim/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)
Haddad
O prefeito Fernando Haddad (PT) disse nesta segunda que foi procurado no domingo (24) para interromper a reintegração de posse, mas que não pôde atender ao pedido porque a área ocupada é de risco.
"Liguei para o subprefeito, disse a ele para ponderar sobre a oportunidade da reintegração, mas depois eu recebi um telefonema do secretário de Negócios Jurídicos dizendo que consultados, os engenheiros que avaliam risco entenderam que não havia como manter naquela barranqueira as famílias ali, que se não fosse cumprida a ordem judicial qualquer advento: solapamento, desmoronamento, ia ser imputada a responsabilidade para a Prefeitura, que as famílias não poderiam continuar lá por ser uma área de risco bastante importante", disse Haddad.
"Hoje [segunda] pela manhã nós encaminhamos os dois secretários ali, tanto o Medeiros [coordenação de Subprefeituras] quanto o Barreirinhas [negócios jurídicos], para informar as famílias sobre esse laudo técnico dos engenheiros. Nós fizemos todo o esforço para eventualmente adiar ou suspender, mas não havia como tomar essa medida em função do grave risco que estava ocorrendo ali. Não consegui falar com o Suplicy", completou.
Haddad disse que recebeu um telefonema do secretário da Segurança Pública Mágino Alves. "Ele me informou do ocorrido. Ele queria informar do que tinha acontecido dizendo que estavam alinhados conosco para evitar qualquer tipo de conflito com a comunidade", disse.
O secretário da coordenação das Subprefeituras, Antônio Carlos de Medeiros, afirmou, no entanto, que o "juiz e a PM estavam absolutamente inflexíveis".
  • Os moradores atearam fogo para tentar impedir a aproximação do oficial de Justiça e de policiais militares que estavam no local. Um ônibus foi colocado na via pelos moradores. Mais tarde, o veículo foi parcialmente incendiado, mas as chamas já foram apagadas.
Às 8h, a tropa de Choque, da Polícia Militar, estava no local e a situação ficou tensa. Policiais Militares jogaram bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral e moradores atiraram pedras.
A mãe de um morador de 22 anos detido e levado para o mesmo distrito policial de Suplicy afirmou que o filho não estava armado. "O choque falou que tem vídeo dele apontando arma contra os policiais. Quero ver esse vídeo", disse Valdirene Aparecida de Carvalho, auxiliar de limpeza, 38 anos.
De acordo com a Prefeitura, os moradores foram cadastrados para receberem o auxílio bolsa-aluguel.
"A área ocupada na Rua Carlos Faria é municipal e apresenta risco elevado de desabamento, o que inviabiliza construção de moradia popular. A Defesa Civil do município estudou a possibilidade de retirar apenas parte dos barracos, mas concluiu que isso colocaria os demais barracos em risco, por causa da fragilidade estrutural do conjunto. A reintegração de posse é uma determinação judicial e os moradores foram avisados previamente sobre a desocupação. Ao todo, 211 famílias residem no local e já estão cadastradas no programa habitacional da Prefeitura de São Paulo.

Uma equipe do Serviço Especializado de Abordagem social (SEAS) está no local para encaminhar as pessoas que tiveram interesse para os serviços da rede socioassistencial. As famílias interessadas nos serviços, como a inclusão no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal e encaminhamentos para Centros de Acolhida, também podem procurar espontaneamente o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Butantã na Avenida Junta Mizumoto, 591.", diz nota da Prefeitura.


Globo.com