">

Polícia Federal deflagra operação que investiga suspeitos de terrorismo Mandados de prisão, busca e condução coercitiva são cumpridos em nove estados

Cerca de 130 policiais cumprem mandados judiciais expedidos pela 14ª Vara Federal de Curitiba - sendo 10 prisões temporárias, duas conduções coercitivas e 19 buscas e apreensões, nos estados do Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. 
Quatro pessoas foram presas em São Paulo. As demais foram detidas no Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Paraíba, Ceará e Amazonas. Oito das 19 buscas também foram feitas em São Paulo, duas em Goiás e duas no Amazonas. As demais foram realizadas uma em cada estado. As conduções coercitivas ocorreram em São Paulo e Goiás.
"Não vamos esperar um milímetro para que qualquer ato preparatório se desenvolva. Por mais insignificante que possa parecer, terá uma reação rápida, una e certeira do poder público. Vamos agir da maneira mais dura possível", afirmou o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (21). 
As investigações tiveram início em abril com o acompanhamento de redes sociais pela Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal - DAT. Os envolvidos participavam de um grupo virtual denominado Defensores da Sharia e planejavam adquirir armamentos para cometer crimes no Brasil e até mesmo no exterior. 
Uma ONG com atuação na área humanitária e educacional também é investigada por participação no caso. 
Os investigados responderão individualmente, na medida de suas participações, pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo, ambos previstos na Lei 13.260/2016. A pena para o primeiro crime é de cinco a oito anos de prisão, além do pagamento de multa. Para quem executa atos preparatórios, a pena varia de três a 15 anos de prisão.

Policia Federal