">

Igrejas vão Investir no Pokemon -Go para atrir jovens em sua igreja.

Assim igrejas vão usar o pokemon-Go para atrair os jovens em sua igreja.
A igreja pode comprar varios pokemons e deixar eles disponivel na plataforma do GPS isso ai poderia trazer cerca 2.Mil pessoas por dia para pegar o pokemon.
Empresa tbm vão Investir na compra de aplicativos para atrair cliente.
O jogo "Pokémon Go" foi lançado somente em cinco países, mas é certo dizer que o game - que permite ao jogador caçar e capturar os famosos monstrinhos no mundo real - já se tornou uma febre. Sem previsão de chegar ao Brasil, alguns fãs do Amazonas deram um jeito de conferir uma amostra do jogo e contaram ao G1 o que acharam do mais novo sucesso da franquia criada pelo japonês Satoshi Tajiri.
 
'
Aficionada pelo universo de Ash, Pikachu e companhia, a designer gráfico Ananda Ferreira Ramos, de 23 anos, foi uma das manauaras que conseguiu instalar "Pokémon Go" em seu aparelho celular. O game foi desenvolvido para as plataformas iOS e Android.
"Tem sites que oferecem o aplicativo para baixar, ignorando a localização. Não é [um jogo] pirata, é o oficial. No entanto, como ele ainda não está disponível no Brasil, nós não conseguimos encontrar todos os pokémons nas ruas, apenas os três iniciais [Squirtle, Charmander e Bulbasaur]", explicou a ilustradora, cujo bichinho de bolso favorito é a raposa Eevee.
Ela acredita que, pelo sucesso que o game vem tendo em países como Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia, é questão de tempo até que "Pokémon Go" chegue ao Brasil.
Ananda capturou um Bulbasaur na lata de lixo do vizinho, em Manaus (Foto: Divulgação)
"É muito surreal, é tão absurdo que, quando você vê o pokémon bem próximo de onde você está, seu primeiro instinto é sair correndo naquela direção. Encontrei meu Bulbasaur na lata de lixo do vizinho [risos]", divertiu-se a designer.
Apesar da febre instantânea que se tornou, o jogo também é alvo de polêmicas. Entre elas, em Nova Iorque, um homem se envolveu em um acidente de carro após se distrair com o game, na terça-feira (12). Já em San Diego, três mulheres se depararam com um cadáver enquanto caçavam pokémons por um parque.
Com relação a esses incidentes, Ananda frisa que as pessoas "têm que estar conscientes do que vão fazer" na hora de instalarem "Pokémon Go". "Muitos já estão falando que o jogo distrai as pessoas nas ruas, que atrai ladrão, que vão usar isso para sequestrar criança, etc. E a gente sabe que o Brasil é um país bem violento, então, bom, essas coisas podem acontecer. Mas vale lembrar que esses problemas sociais existem bem antes que os pokémons", ponderou.
Fã dos jogos de Pokémon desde criança, o funcionário público Diego Vieira, de 27 anos, também chegou a baixar "Pokémon Go" logo que o game saiu em território internacional. Mesmo que não tenha experienciado muito do jogo - o mesmo foi cancelado horas depois de ser instalado -, ele acredita que o game repetirá o sucesso no País.
Dezenas de pessoas se reúnem para jogar Pokemon Go em frente à Ópera de Sydney, na Austrália. O aplicativo, baseado em um jogo da década de 1990, virou uma febre mundial onde os jogadores percorrem o o mundo real procurando monstros dos desenhos animados (Foto: William West/AFP)
"Com certeza [o sucesso] será o mesmo, a ansiedade está muito grande entre os fãs da franquia", destacou Diego, cujo pokémon inicial capturado foi o aquático Squirtle. "Ele estava na cozinha de casa", completou.
Uma das partes que o funcionário público mais espera vivenciar em Manaus são os embates que acontecem nos ginásios pokémons. "Pelo que li de 'Pokémon Go', [essa] é a parte mais interessante. Espero que a capital amazonense tenha esses locais, também. O único ponto negativo que espero que não venha para a versão brasileira são os lugares inusitados onde estão escondidos alguns pokémons, expondo seus usuários a algum tipo de risco", encerrou.

G1