Igreja Batista que decidiu batizar homossexuais pode ser punida com expulsão da CBB


A decisão de aceitar a filiação e o batismo de homossexuais poderá custar à Igreja Batista do Pinheiro (IBP), em Maceió (AL), sua desfiliação do rol de congregações da Convenção Batista Brasileira (CBB).
Uma assembleia extraordinária da IBP, realizada em março desse ano, definiu que a congregação passaria a aceitar transferência de membros declaradamente homossexuais e que celebraria batismos de pessoas com essa opção sexual.
O caso é curioso porque a denominação liderada pelo pastor Wellington Santos deixaria de instruir as pessoas sobre a necessidade de abandonar a homossexualidade, ensino de ampla concordância entre as igrejas cristãs de diferentes abordagens teológicas.
Segundo informações do portal Antena Crítica, a decisão da CBB de excluir a IBP poderá ser tomada no próximo sábado, 09 de julho, em uma assembleia extraordinária organizada pela presidência nacional da entidade.
Em carta aberta enviada à CBB, a Igreja Batista do Pinheiro criticou a decisão da convenção de considerar a exclusão da denominação de seu rol de filiados.
“Ficamos perplexos com chistes inconvenientes, acusações infundadas, palavras desrespeitosas, ameaças descontroladas vindas de irmãos e irmãs de fora, inclusive de pastores e líderes eclesiásticos, que atingiam a igreja como um todo, mas de modo mais contundente à família pastoral. Mais perplexos ainda ficamos com a notícia de que a Convenção Batista Brasileira se preparava para instaurar um processo disciplinar, cujo objetivo era excluir sumariamente a Igreja Batista do Pinheiro do seu rol de igrejas filiadas”, diz o texto, grafado pelos autores.
De acordo com a diretoria da IBP, “em nenhum momento, durante esse longo processo de dez anos, tentamos desrespeitar algum princípio batista ou afrontar igrejas, associações e convenções congêneres”, e que a decisão tomada de acolher homossexuais como membros se deu com base no “direito que temos sobre a liberdade de interpretar a Bíblia individual e congregacionalmente”.
Nas redes sociais, internautas manifestaram apoio à postura da IBP: “Eu nunca quis ir à igreja na vida, mas depois dessa carta acho que tá na hora de repensar isso. Obrigada por existir, Batista do Pinheiro”, escreveu um usuário do Facebook. “Recebam meu afeto e apoio. Agradeço a coragem, vcs (sic) me inspiram a ser melhor em Cristo”, afirmou outro.
A denominação, inclusive, recebeu manifestação de apoio do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), ligado à ideologia de esquerda e associado ao Partido dos Trabalhadores (PT).
carta igreja batista do pinheiro


Gospel Mais