8 hábitos de oratória que matam a sua credibilidade

Não faça a sua plateia dormir
Não faça a sua plateia dormir
Jornal do Empreendedor - Por André Bartholomeu Fernande
Vestir-se para o sucesso pode criar uma boa impressão, mas as pessoas julgam sua inteligência e credibilidade com base no que sai da sua boca.

Aqui estão 8 hábitos verbais que imediatamente vão marca-lo como um tolo ou uma pessoa desonesta.

#1. Jargões de negócios

O jargão consiste em sequestrar palavras normais e usá-las de maneira estranha para fazê-las soar como palavreado de negócios.

Vamos a um exemplo: “estamos nos aproximando de nossos advogados da marca para alavancar um diálogo sobre interesses e produtos” (argh!). Enquanto as pessoas usam os jargões chatos de negócios as pessoas ao redor se encolhem.

Correção: Use palavras que as pessoas conheçam a definição no dicionário. Por exemplo, “estamos falando com nossos defensores para criar diálogos sobre nossos produtos”.

Dessa forma, você vai parecer mais um profissional e menos como um empresário engomadinho.

#2. Clichês

Estas são as metáforas que utilizamos frequentemente usamos e que tornam as nossas afirmativas banais.

Os clichês não são apenas banais, mas também revelam uma falta de respeito com nosso interlocutor. Se você realmente se importasse, você criaria uma frase simples e objetiva.

Correção: Evite metáforas. Se isso for muito difícil pra você, ajuste os seus clichês para torná-los menos insuportáveis.
Evite os clichês. Seja uma pessoa mais objetiva. Evite os clichês. Seja uma pessoa mais objetiva.

#3. Prolixidade

Usar grandes e impressionantes palavras, em vez de palavras mais comuns podem deixar os ouvintes com a impressão de que você é pomposo ou pretensioso. É o caso, por exemplo, de quem usa a expressão “avaliar as opções estratégicas e abordagens táticas”, em vez de, simplesmente “plano”.

Correção: O principal problema aqui é a necessidade de se sentir como se o seu negócio e suas atividades fossem mais importantes e impressionantes do que elas realmente são.

A correção é, portanto, uma dose bem generosa de humildade.

#4. Soluços

Isto é quando, err, você insere uma palavra ou som em uma frase, uh, como se você estivesse parando para pensar no que exatamente você quer dizer. Isso deixa os ouvintes irritados e, torna tudo mais monótono do que pode ser.

Correção: Aqui a correção é fácil. Simplesmente elimine os soluços e utilize a pausa em seu lugar.

Quando você simplesmente faz uma pausa em silêncio, ao invés de tentar preencher o espaço de pensamento com palavras, você acaba parecendo mais sábio, porque está escolhendo suas palavras com cuidado.

#5. Pequenos aumentos

Os pequenos aumentos transformam uma declaração em uma pergunta. O pequeno aumento pode ser um aumento no final da frase, ou até mesmo, pode ser sinalizado por uma frase como “[declaração], né?”, ou “[declaração], sabe?”.

Os pequenos aumentos mostram que você não está confiante de sua capacidade de se comunicar de forma clara, por isso a necessidade de verificação constante.

Correção: Se não tiver certeza se a outra pessoa está seguindo suas declarações, uma pergunta específica funciona bem melhor.

#6. Palavras evasivas

Estas são tentativas de enganar as pessoas, disfarçando fatos como abstrações, sem derramamento de sague. Quando você é evasivo, você se mostra um covarde que tem medo de enfrentar o estigma social de tomar uma decisão impopular.

Correção: Mostre um pouco de coragem. Você terá mais respeito e credibilidade a longo prazo para dizer verdades desagradáveis do que dizendo mentiras agradáveis.
Não seja uma pessoa evasiva. Tenha coragem de dar a sua opinião. Não seja uma pessoa evasiva. Tenha coragem de dar a sua opinião.

#7. Falsas desculpas

Isto é o que as pessoas fazem quando se sentem socialmente obrigadas a pedir desculpas, mas elas não estão realmente arrependidas.

Correção: Desculpas sinceras são quando pedimos desculpas por algo que fizemos. Se você não pode se desculpar sinceramente, não se preocupe, pois não estará pedindo desculpas.

#8. Pulverizar informações

Isso consiste em deixar escapar uma grande quantidade de fatos ou observações antes de descobrir quais (se houver) podem realmente ser do interesse das pessoas.

Provavelmente 95% de todas as apresentações que se enquadram nessa categoria, mas quando isso acontece em uma conversa, faz você parecer um idiota.

Correção: Pense sempre em fazer uma conversa, ao invés de um arremesso de vendas. Faça perguntas, responda comentários, descubra o que é necessário e, só então parta para os fatos e observações que sejam de interesse comum.





Fonte------------Marcal Siqueira.
marcal@marcalsiqueira.com.br