">

Pastores da Igreja Maranata são presos durante semana de comemoração do aniversário de 45 anos da igreja

Pastores da Igreja Maranata são presos durante semana de comemoração do aniversário de 45 anos da igreja
Na manhã dessa terça-feira (12), quatro pastores da Igreja Cristã Maranata foram presos pela Polícia Federal no Espírito Santo e, decorrência de uma investigação contra a igreja por crimes como estelionato, lavagem de dinheiro, tráfico de influência, falsidade ideológica e desvio de erário.
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
A prisões, que ocorreram em uma ação conjunta da Polícia Federal com o Ministério Público do Espírito Santo (MP-ES), foi realizada porque os pastores são acusados de coagir e intimidar testemunhas e autoridades para dificultar o andamento das investigações que correm contra a instituição religiosa. O MP-ES abriu inquérito em março de 2012 para apurar a suspeita de desvio de dízimo e enriquecimento ilícito por parte de membros da diretoria da instituição, a partir de uma denúncia que partiu de um processo feito pela própria igreja contra os suspeitos.
As prisões dos líderes da igreja aconteceram em meio à semana de comemorações pelos 45 anos da igreja, que no último domingo reuniu 100 mil fiéis em um mega culto na Praça do Papa, em Vitória para celebrar o seu aniversário.
Segundo o G1, entre os presos, estão o presidente afastado Gedelti Gueiros, que teve o benefício da prisão domiciliar devido à idade avançada; o atual presidente Elson Pedro dos Reis e o pastor Amadeu Loureiro, que foram encaminhados para o Centro de Triagem de Viana; e o advogado Carlos Itamar Coelho Pimenta, que ficará no Quartel da Polícia Militar, em Maruípe, Vitória.
O Ministério Público informou que as prisões dos pastores foram efetuadas de maneira a proteger as vítimas das coações, que acontecem de forma direta e indireta, dificultando o andamento das investigações.
Em nota oficial, a Igreja Maranata nego ter coagido testemunhas ou ameaçado autoridades, a igreja informou ainda que está processando judicialmente aqueles que estão acusando a instituição, de acordo com a lei. De acordo com o comunicado, a igreja acredita que todas as acusações e acontecimentos desta terça-feira, com a prisão dos pastores, foram pautadas no desejo de retaliação e perseguição.





Por Dan Martins, para o Gospel+