">

Bebê de nove meses é acusado de tentativa de assassinato no Paquistão

5.abr.2014 - Foto tirada em 3 de abril mostra um policial paquistanês pegando as digitais do bebê Muhammad Mosa, que tem nove meses de vida. Ele foi acusado de tentativa de assassinato durante uma operação da polícia
5.abr.2014 - Foto tirada em 3 de abril mostra um policial paquistanês pegando as digitais do bebê Muhammad Mosa, que tem nove meses de vida. Ele foi acusado de tentativa de assassinato durante uma operação da polícia
Um bebê foi convocado a aparecer diante de um tribunal no Paquistão sob a acusação de tentativa de assassinato a um policial.  Muhammad Mosa Khan, que tem nove meses, foi uma das 30 pessoas chamadas para prestar esclarecimentos sobre uma operação da polícia, que tentava prender ladrões de gás na cidade de Lahore. As informações são da agência de notícias AFP.

 

O garoto foi detido no início de fevereiro junto com vários membros de sua família. A polícia acusa os suspeitos de jogarem pedras e golpear um policial com pedaços de madeira.
Muhammad Mosa Khan compareceu nesta quinta-feira (3) ao tribunal no colo de Muhammad Yasin, seu avô. Ele foi liberado e o julgamento foi adiado para 12 de abril, segundo relatos da mídia de Lahore. O pai de Khan também está entre os acusados.
"Todos os presentes perguntavam como um garoto pode ser envolvido em um caso como este? Que tipo de justiça e política é essa?", criticou Yasin
Para o advogado da família do bebê, não há sustentação jurídica para acusar o garoto. "O tribunal deve reconhecer que ele é inocente, pois a idade penal mínima é de sete anos", disse Irfan Sadiq Chaundhry, que defende o menino. Desde 2013, segundo a agência de notícias AFP, o país aumentou a idade mínima para ser penalizado de sete para 12 anos. A única exceção são em casos de terrorismo.

Ampliar
João Hélio Fernandes, 6, morreu em 7 fevereiro de 2007 após ser arrastado por mais de sete quilômetros por ruas da zona norte do Rio de Janeiro, preso do lado de fora de um carro, pelo cinto de segurança. O garoto estava no carro com a mãe e a irmã, quando homens armados anunciaram o assalto e ordenaram que todos saíssem do veículo. João Hélio ficou preso ao cinto de segurança, do lado de fora do carro. Quatro homens foram condenados pelo assassinato do garoto, com penas que vão de 35 a 49 anos de prisão em regime fechado





fonte---------------------- Uol.com